quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Línguas, Tradução & Literatura: Roda de Samba, Roda da Vida.


Paulinho da Viola, seu violão e o Hino Nacional, na abertura da Rio 2016. Foto: Divulgação
Já tinha feito o post abaixo quando o grande Paulinho da viola, com sua voz doce e seu suave violão, cantou o hino nacional na bela cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. Uma beleza para os olhos e para os ouvidos. Beleza também o hino nacional executado ao piano pelo pianista e maestro João Carlos Martins, na abertura das Paraolimpíadas Rio 2016. Achei que devia mencionar o fato aqui, ao comentar o livro escrito pelo colega Francisco Romanelli, dono de sensibilidade poética, literária e musical.

‘Roda de Samba, Roda da Vida. Filosofia de Botequim, em Noel, Paulinho e Chico’. Edições Aba, Varginha- MG 2015

Este é o título do livro de Francisco Antonio Romanelli, vencedor do Prêmio Vianna Moog, na categoria Ensaio, do Concurso Internacional de Literatura 2015 da União Brasileira de Escritores do Rio de Janeiro.
Imagem: Divulgação
Depois de anos militando na área do Direito, o juiz aposentado Francisco Antonio Romanelli, membro da Academia Varginhense de Letras Artes e Ciências - AVLAC, decidiu dar vazão ao seu amor pelas Letras e pela música. Entrou na Universidade Vale do Rio Verde - Unincor, onde desenvolveu uma pesquisa de mestrado em que combina história, cultura, música e poesia.
As temáticas se misturaram e deram origem ao livro “Roda de Samba, Roda da Vida”, agradável narrativa que enfoca a cultura do Samba (com "S"maiúsculo), “sistema de vida da classe mais pobre e predominantemente negra do Rio de Janeiro” que unia música, dança, religiosidade, culinária e poesia, e o nosso samba, com “s” minúsculo, como “gênero musical apropriado e adotado por todas as classes sociais como nossa matriz musical”.
Dividido em três capítulos, todos com títulos saborosos e chamativos, o livro instiga e convida o leitor a percorrer suas páginas:
1-  “E a música criou a roda e a roda criou o samba”. 
2- “Pensamento sincopado: quando o samba e a filosofia se encontram no botequim”. 
3-  “O samba, a prontidão e outras bossas de Noel, Paulinho e Chico”.

As questões sociais, as dificuldades econômicas, os dissabores, os amores, encontros e desencontros da vida são discutidos, filosofados e musicados por cada um dos artistas escolhidos pelo autor para apoiar sua narrativa: Noel Rosa, Paulinho da Vila e Chico Buarque, típicos representantes de certa maneira de pensar e expressar a vida, através da música. Embora cada um tenha uma forma peculiar de pensar e apesar dos estilos inconfundíveis desses autores, em seus sambas, os três  dialogam com a tradição da cultura do Samba e, poeticamente, abordam e sintetizam a chamada “filosofia de botequim”.
- Noel Rosa: cronista, filósofo do samba e questionador dos descompassos da vida, com ironia fina, humor e uma imensa produção;
- Paulinho da Viola: observador e solidário, o poeta faz sua reflexão e canta as mazelas do povo sofrido através de metáforas ligadas à natureza;
- Chico Buarque: como Noel, também se solidariza com a dor do outro e mergulha na rodopiante roda da vida, na inexorável roda do tempo, na poética musical da roda do samba.

Aos poucos e destrinchando palavras, recursos linguísticos e musicais, Romanelli nos brinda com a análise poética de várias das composições desses compositores e termina, com maestria, com duas das mais notáveis criações do compositor carioca Chico Buarque de Holanda: Roda Viva e Construção.  
Uma análise minuciosa, sensível, profunda e envolvente das origens do ritmo que carrega as matrizes de nossa identidade musical e cultural. Um livro imperdível para quem gosta de música, da nossa língua, de samba e para quem preza nossa cultura e nossas raízes.

4 comentários:

  1. Anita, muito obrigado pela linda resenha. Valoriza a pesquisa. Que bom que você gostou. Grande abraço. Francisco

    ResponderExcluir
  2. Seu trabalho é ótimo. E amigos de SP já estão querendo o livro. Posso passar seu email?
    abraços
    Anita

    ResponderExcluir
  3. Fique à vontade. Eu deixei o remanescente na Livraria do Alessandro (Livraria Cultura). Abraços. Francisco

    ResponderExcluir
  4. E aí vai o link da livraria do Alessandro, em Varginha: http://www.alessandrolivros.com.br/

    ResponderExcluir